• Larissa Dias

Quem é quem em Deuses Americanos? (American Gods)

Atualizado: 18 de Out de 2019


Odin

Há algum tempo escrevi na minha página do Facebook sobre os deuses que aparecem em Deuses Americanos. Toda quarta-feira - dia de Odin - publicava uma divindade da série.


A série é ótima mas a história fica muito mais rica para quem já conhece a mitologia que está por trás de tudo :)


A série trata da história de Shadow Moon e seu contato com as divindades que vieram para a América junto com a crença dos povos de várias culturas que a povoaram, em meio a uma terrível guerra entre os "Deuses Antigos" e os "Novos Deuses", que representam os aspectos tecnológicos do mundo moderno.


Seguem as divindades:


Odin é o deus pai da mitologia nórdica. Na série seu nome é Wednesday, quem vem de Wōdnesdæg, que quer dizer o dia de Woden, outro nome para Odin. Ele é o deus da estratégia, das batalhas, da conciliação, dos sacrifícios, da sabedoria, do poder e existem muitos outros atributos deste deus tão poderoso. Na primeira cena, há sacrifícios que os navegantes fazem para agradar a Odin. Eles furam um dos olhos simbolizando o olho que Odin sacrificou para ter sabedoria bebendo do poço Mimir. Porém, o sacrifício exigido por Odin tem a ver com a morte na batalha, pois ele sacrificou seu próprio corpo a si mesmo para obter o conhecimento mágico das runas. Nada nesta vida vem fácil.


Czernobog é uma divindade da mitologia eslava. Ele aparece em um dos mitos de criação onde ele e sua outra parte, Belobog, teriam criado o universo em sua perfeição. Embora seja o criador, seu nome quer dizer "deus negro". Isso faz referência a sua parte escura, ligada ao mal, porém a um mal natural, como a morte, a fome, o gelo que mata, entre outras coisas. Aparentemente, na mitologia eslava não há referência ao martelo, sendo esse um elemento que foi inserido na série fazendo menção a um assassino americano que matava suas vítimas com um grande e pesado martelo.


As Zorya são divindades do panteão eslavo (assim como Czernobog por isso estão na mesma "casa"). Elas são guardiãs do céu e são responsáveis por vigiar o cão do fim dos tempos, Simargl, que está acorrentado na constelação da Ursa Menor. Na mitologia eslava existem apenas duas Zorya: Zorya Utrennyaya (a Estrela da Manhã) e Zorya Vechernjaja (A Estrela da Noite), mas na série Deuses Americanos foi inserida uma terceira divindade, guardiã intermediária entre as Zorya originais.


Bilquis é uma divindade hebraica do amor e da fertilidade, que aparece mencionada na Torá. Ela também foi relacionada à Rainha de Sabá e seu grande poder é relacionado aos ritos de fertilidade e adoração sexual, pois quanto mais adorada era, mais poderosa poderia ser.


Anansi é uma divindade antropomórfica - na origem era uma aranha, mas pode ser metade homem e metade aranha ou se transformar ainda em humano - que existe na mitologia africana. Seus atributos são a famosa lábia, o poder de convencer homens e deuses com suas histórias. Ele atua sempre com um ar de esperteza, é ardiloso e não se importa de bater de frente com Odin, pois uma das suas características no mito original é ir contra a vontade dos outros deuses. Ele é a divindade que trouxe o poder da história para os humanos, então aqui fica uma homenagem à ele, pois o que seria de nós sem as nossas histórias?


Anúbis é o deus dos mortos do Antigo Egito. Ele era responsável por conduzir quem morria em sua passagem para a vida pós morte. Isso incluía conduzir a pessoa ao local de seu julgamento, onde Osíris, Ísis, Thoth e outros deuses fariam o julgamento. Ele é um deus justo e companheiro, jamais sai do lado de quem protege e isso é representado por sua outra imagem, a do chacal. Na série, existe uma cena linda onde uma mulher que acabara de morrer, e que tinha outra religião, diz que não o segue mais por muito tempo e se ela seria bem-vinda em seu reino. Então Anúbis mostra sua face justa e bondosa e diz que se o coração dela passar no teste da balança de Maat, ela será merecedora da vida após a morte. Assim como com os deuses Eslavos, Anúbis e Thoth moram na "mesma casa", pois fazem parte do mesmo panteão religioso.


Thoth era o Deus da sabedoria, da lua, do oculto, mestre dos escribas do Antigo Egito. Não há registro de seu nascimento. Acreditava-se que o pensamento existia antes de tudo e por este motivo ele encarna a pura representação da razão. Representado como um homem com cabeça de íbis ou como um babuíno. Portava um cálamo (pincel para escrita) e a paleta de tintas. Com isso, controlava o poder da palavra escrita, que era lei perante os deuses. Seus mitos contam que criou os hieróglifos, o calendário e o jogo de xadrez. Na série, ele é quem conta a história de cada um dos personagens, pois ele é o guardião das histórias - assim como todos os deuses da sabedoria do mundo todo também eram, a exemplo de Ganesha, o deus hindu com cabeça de elefante que narra o Mahabaratha. Na série aparece em cenas de ritos de embalsamamento, pois na mitologia egípcia ele, assim como Anúbis, Osíris e Ísis, eram os deuses responsáveis pela passagem dos mortos.


Vulcan é o deus Vulcano (romano) ou Hefesto (grego). Ele é a divindade do fogo e da forja, filho de Júpiter/Zeus e Juno/Hera. Ele forjava todas as armas dos deuses e heróis, incluindo os raios de Zeus. Vive dentro do vulcão, de onde tira o poder para forjar armas tão poderosas (fogo e terra), além de ter maravilhosas habilidades manuais.


Thor aparece na série como Donar. Ele é filho de Odin e é o deus do trovão. Uma das características de Thor é que, ao contrário de outros deuses, ele é leal. Tendo imensa força física, a maior que já se viu na mitologia nórdica, é um deus filho de Jord, a deusa da terra e, portanto, é ligado a fertilidade material. Na série, Odin consegue angariar fundos para sua guerra com o show de "Donar, o Grande". Nesse episódio aparece o aspecto de que os deuses precisam da adoração de seus súditos, pois isso alimenta seu poder. A lealdade de Thor acaba fazendo com que se alie aos inimigos nazistas, pois antes de ser leal a Odin, precisaria ser leal a si mesmo. E vamos combinar que Odin toma atitudes difíceis de compreender, quase sempre em prol do PODER (seu atributo), enquanto Thor prima pela FORÇA DA LEALDADE.


Ostara/Eostre é a deusa da primavera, do amor, da fertilidade e do renascimento, que aparece na mitologia nórdica e celta. O festival que comemora seu dia (Ostara) é celebrado no mesmo período que posteriormente foi considerado a páscoa cristã. Ao falar de Ostara, o seriado apresenta dois símbolos importantes: 1 - Traz a deusa "dividindo" seu dia com várias facetas de Jesus de diversas etnias. Este simbolismo mostra a sobreposição das tradições cristãs em datas comemorativas pagãs, como a Páscoa, o Natal, o dia dos Mortos, etc. 2 - Mostra que Ostara é uma deusa da terra, verdadeira deusa da natureza: tem seu aspecto de prosperidade, mas assim como Deméter e outras deusas da fertilidade, é capaz de acabar com toda a vida na Terra se assim desejar. Essa mensagem traz a reflexão de que quanto mais os humanos não se atentarem para a natureza como uma divindade, ela pode voltar seu poder contra nós.


Para quem não percebeu, Mama Ji é simplesmente a deusa hindu Kali. Ela é a deusa da destruição. Seus mitos contam que ela nasceu do olho furioso da deusa Durga, e apenas Shiva, o deus da destruição, é capaz de parar sua dança mortal. Mas Kali não tem apenas esse atributo. Ela é a deusa da justiça, que nasceu porque nenhuma outra divindade conseguia enfrentar o demônio mais perigoso e apenas ela foi capaz. Kali é a deusa que trabalha no ciclo de destruição para que o novo possa surgir. Não é à toa que ela e Ganesha são os dois deuses mais adorados da Índia! A incrível Kali mostrou sua verdadeira face apenas para a esposa morta de Shadow Moon, pois uma pessoa que estivesse viva não seria capaz de aguentar a visão da verdadeira face desta divindade.


Columbia é uma divindade americana, que representa os novos valores do povo americano. É uma deusa do chamado Novo Mundo e representa a valorização e a ascensão dos EUA. Tem qualidades de mãe provedora, mas também tem variações que a trazem como a deusa sedutora, que atrai olhares do mundo todo para si, como sempre aconteceu com os Estados Unidos. Na série, a união de Donar (Thor) - que representa os valores germânicos (ver post anterior) - com Colúmbia - que representa os valores americanos - mostra uma união de deuses, incomum para as mitologias que prezam pela supremacia étnica de seu povo, mas que faz todo sentido se falarmos que a história toda se desenrola em um país que não é o de origem dos deuses da série. Quando Thor decide seguir com os soldados alemães, ele traz ali muito da origem bélica dos deuses germânicos.


O Leprechaun Mad Sweeney é na verdade também o deus Lugh, ambos personagens da mitologia celta. O Leprechaun é o que é conhecido mais comumente como duende da sorte, mas, na verdade, a mitologia desses seres mostra que sempre que uma dádiva é concedida por um Leprechaun, em troca é exigida uma coisa de igual valor.

O deus Lugh, por sua vez, representa o triunfo da luz sobre a escuridão, além de ser portador da lança mágica. Ele se tornou rei do antigo povo mítico dos Thuatha de Danaan. Por isso na série ele é portador do tesouro do sol, pois representa a luz. Ele é uma divindade guerreira por natureza e de muitas capacidades ligadas às divindades ferreiras.

Sobre Lugh tem muito a se falar, porém, infelizmente, tudo soaria como Spoiler. Mas haverá outras oportunidades de trazermos à tona a mitologia desta divindade e de outras que não aparecem na série.


#queméquemDeusesAmericanos #Odin #OMG


24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

© 2023 por Alice Mendes, Ph.D. Orgulhosamente criado com Wix.com